07 julho 2009

A outra vida de Catherine M.

. 07 julho 2009

Catherine Millet, a diretora da revista Art Press, que a pouco tempo chocou o mundo com suas aventuras eróticas, lança mais um livro, dessa vez falando sobre a sua dificuldade em se ver como a outra.


Em 'A outra vida de Catherine M.', o leitor encontra todas as armadilhas de um casamento aberto e a vida dupla de Catherine com seus diversos amantes. Mas, ao meu ver, o que mais vai surpreender o leitor será o novo tempero que a autora deu ao texto, um sentimento meio que contráritório para alguém que tem a vida dupla como um lema: o ciúmes.

Catherine conta a dificuldade de se ver como sendo a outra, conta a dor e o ciumes que sentiu por não ser a única de um parceiro em especial, seu marido.


Por meio da Agência Frog, estabeleceu-se uma nova parceria com a Editora Ediouro. E por conta desta parceria, uma nova promoção acontecerá aqui no Café Expresso e lá no Outras Estórias também.


O resultado será revelado no próximo dia 6 de Agosto, e publicado nos dois blogs participantes, juntamente com as frases vencedoras.
Para concorrer ao livro, é muito simples. Basta responder, por meio de uma frase ou um texto, poesia, e blábláblá, a pergunta:


Por que em uma relação é praticamente impossível não sentir ciúmes de seu (sua) parceiro (a)?


Responda por meio de um comentário e envie juntamente com seu nome completo e e-mail.
Para saber mais sobre o livro, acesse o mini site http://www.aoutravidadecatherinem.com.br/ . Lá, você pode ler o primeiro capítulo, conhecer mais sobre a autora e ainda baixar planos de fundo paea o seu computador.
Boa sorte a todos e até o mês que vem.


Por Janaína Moraes.

6 xícaras tomadas.:

30 e poucos anos. disse...

é impossível pois não existe 100% de segurança nas pessoas...a sociedade exige um padrão que é difícil de ser alcançado e gera insegurança e consequentemente ciúmes

mattbra disse...

É um livro no minimo curioso. Acho interessante encontrar pessoas que escrevem o que vem depois do "Felizes para sempre" e, parece que Catherine Millet é uma dessas pessoas.

mattbra - http://masturbacaomental.wordpress.com

Leo Pinheiro disse...

Não está muito tarde para alguém desbundar? Quem não o fez até a década de 70 que não o faça mais.

Sempre quando vejo esses títulos redundantes parece-me desbunde de butique... Comercial tipo Marley eu engulo. Comercial disfarçado de cult...

Não tenho mais idade.

Mas se vc comprou tomara que curta. Não sou manequísta. Acho leitura mediana é melhor do que não ler. Abç

Diego Carvalho disse...

"Ciúmes

Do meu amor,
cuido eu.
Mas se eu descuido.
Não é problema seu,
mas sim, o ciúmes é meu."


A questão da sociedade vir a interferir na obtenção ou não de ciúmes, já virou lenda. Creio que se você vive com "a pessoa", não tem o porque você viver pelas outras pessoas, nem escutar, nem observar por elas. Sua visão em relação ao teu(tua) parceiro(a)e o sentimentos que os rodeim é só seu . O nomé é o mesmo "Ciúmes", mas o sentimento que cada um constroi e coloca nele é único, é impar, é somente seu.
Acho que não há algo de concreto que da pra se seguir,se basear, para explicar o ciúme que sente ou deixa de sentir. Sentimento de posse? Simples perturbação por sua ausencia? Carencia? Amor além da dose?
Há "N" motivos, "N" ocasiões.

Mas sim, praticamente é impossível não sentir cíumes.
Isso quase todos nós sabemos.


Diego Carvalho Ribeiro
diego.carvalho.ribeiro@hotmail.com

Arthur Melo disse...

ja ouvi comentarem sobre este livro.
http://arthurmelo92.blogspot.com/

Blog Opinião (In)útil disse...

É impossível não ter ciúmes em uma relação porque nunca há 100% de confiança entre o casal. Todos sabem que são humanos e, portanto, propensos ao erro.