15 outubro 2009

Cultura Literal: Chuck Palahniuk.

. 15 outubro 2009

Para o décimo sétimo posta da série sobre "quem fez oque", trago o americano Chuck Palahniuk, que nasceu em 1961.
Seu romance Clube da luta foi adaptado para o cinema pelo diretor David Fincher em 1999. Escreveu entre outros livros, Assombro, Diário, No sufoco e Cantiga de ninar.
Mostros invisíveis dever ser lido pela sátira - criel e bem pensada - da obsessão e o valor da beleza física. Palahniuk é um notável criador de personagens irreverentes, desajustados, inconformados com a ordem do cotidiano.

O livro.
A modelo Shannon McFarland vê sua vida transformada depois de um acidente em que fica desfigurada. Abandonada pela melhor amiga e pelo namorado, planeja vingar-se deles a ajudar Brandy Alexander, que conhece no hospital e quer mudar de sexo e encontrar a irmão desaparecida.
O que deve se prestar atenção é na capacidade de Palahniuk em criar sequências inusitadas, geralmente próximas do bizarro. São situações que surpreendem pelo que têm de cômico e de afinidade com estes tempos.

"Corta para minha sensação de estupidez, ao tentar equilibrar um dos telefones-saxofones dourados de Evie junto à orelha. Brandy Alexander, rainha incoveniente que é, não tem seu número no catálogo telefônico." (Trecho do livro, página 120).




O livro é da editora Rocco e tem 256 páginas.
Pode ser encontrado nas melhores livrarias, mas os descontos, especiais para os leitores do Café, só são encontrados na Livraria Cultura e nas lojas Americanas.com.
Aproveitem e boa leitura.
Por Janaína Moraes.

1 xícaras tomadas.:

Cláudia Charão disse...

Eu adoro os livro dele, já tenho e li: Clube da Luta, Cantigas de Ninar, No sufoco, Diário, Sobrevivente e Rant.
Os que mais gostei e recomendo são o Clube da Luta e Cantigas de Ninar.

Monstros Invisíveis e Aaaombro estão na fila de leitura.

Boas leituras e parabéns pelo blog!