05 maio 2010

Temporada final de "Toma Lá Dá Cá" em DVD

. 05 maio 2010


A GloboMarcas (http://www.globomarcas.com/) continua apostando no lançamento de DVDs de atrações da Globo. Ótimo, uma bela maneira para colecionadores e fãs poderem guardar seus programas preferidos. Porém, fã que é fã quer guardar TODO o programa, e não episódios escolhidos sei-lá-por-quem. E o braço comercial da Globo parece não entender isso. Como a emissora vem apostando em séries com temporada de poucos episódios, os boxes acabam vindo completos. Mas, quando se trata de uma série maior, a coisa complica.

Digo isso porque acaba de ser lançado o pack da última temporada de "Toma Lá Dá Cá". A série de Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa ficou no ar entre agosto de 2007 a dezembro de 2009, somando três temporadas e 92 episódios. Fã que é fã adoraria ter todos os 92 episódios, certo? Mas o lançamento não traz nem, ao menos, a última temporada completa. Segundo a assessoria da GloboMarcas, o produto contém os "dez episódios mais marcantes da temporada final, incluindo o episódio final 'A Caminho das Estrelas'". Episódios mais marcantes? Para quem?

Dirigida por Cininha de Paula, sob direção de núcleo de Roberto Talma, "Toma Lá Dá Cá" conta as peripécias de duas famílias peculiares que moram no fictício condomínio Jambalaya. Em um apartamento moram Mário Jorge (Miguel Falabella), Celinha (Adriana Esteves), Copélia (Arlete Salles) e Adônis (Daniel Torres). Na porta ao lado, moram Arnaldo (Diogo Vilela), Rita (Marisa Orth), Isadora (Fernanda Souza) e Tatalo (George Salima). A empregada Bozena (Alessandra Maestrini) se divide entre um e outro cenário, assim como a síndica Álvara (Stela Miranda) e dona Deise Coturno (Norma Bengell). As vidas de todos os personagens se cruzam o tempo todo.

No entanto, a temporada final de "Toma Lá Dá Cá" esteve longe de ser o que a série, de uma maneira geral, foi. Na última fase, os personagens passaram por mudanças de personalidade e se tornaram todos golpistas e ambiciosos. Se no início havia um respeito à "quarta parede", até para evitar comparações com o "Sai de Baixo", no final a série adotou um tom metalinguístico. E a coisa foi degringolando até chegar ao final non sense e surreal, quando os protagonistas embarcam num disco voador e deixam o condomínio para sempre.

Mas a série deixou coisas boas. Seu Ladir, vivido por Ítalo Rossi, caiu nas graças do público na segunda temporada (também disponível em DVD... mas, claro, somente com dez "episódios marcantes"...) e seu bordão "é mara!" é repetido até hoje. Outra herança é o talento da atriz Alessandra Maestrini, a empregada Bozena, que diverte com suas caras e bocas e seu bordão "lá em Pato Branco...". No ar na novela "Tempos Modernos", em que vive a cantora de ópera Ditta, a atriz mostra toda a sua versatilidade e que veio para ficar. Que bom!

No mais, a temporada final de "Toma Lá Dá Cá" é bom pra quem é fã e só. Final melancólico de uma série de trajetória irregular.

André Santana

1 xícaras tomadas.:

Fga, disse...

Olá! Concordo com o non sense do final do programa.
Foi um programa muito MARA, mas o final pecou!
O que dizer sobre a burrice de Isadora, que antes era só "normal"!
Mas o que seria do programa sem Copélia????
Amei o seriado, fiquei muito triste com seu final, apesar de tudo, e aguardo ansiosamente pelo BOX de DVD´s nas lojas!